A evolução das vacinas e o desenvolvimento da suinocultura no Brasil

A evolução das vacinas e o desenvolvimento da suinocultura no Brasil

Por Jovani Finco*

Chegar aos postos de quarto maior produtor e quarto maior exportador de carne suína do mundo não se deu da noite para o dia. Alcançar esse status foi fruto de um longo processo de desenvolvimento que envolveu transformações tecnológicas, técnicas de produção intensiva, biosseguridade, sanidade, genética, nutrição etc. – avanços esses na produção brasileira de suínos que estão diretamente relacionados à sanidade e ao desenvolvimento de vacinas, bem como à adoção de novas tecnologias direcionadas à atividade.

Sem a vacinação, toda essa evolução da suinocultura no País, que nos permitiu uma produção em escala, seria inviável. Para se ter uma noção da importância do processo de imunização dos animais para a garantia de sua saúde e bem-estar, façamos o exercício de imaginar como seria sem a existência de um protocolo vacinal – rebanho mais propício ao desenvolvimento de doenças, menor resistência do ambiente à contaminação de agentes, baixa produtividade, maior probabilidade de surgimento de doenças exóticas, falta de segurança alimentar são algumas das consequências que nos afetariam diretamente, dos pontos de vista sanitário, social e econômico.

As principais doenças que acometem hoje os suínos no Brasil e que necessitam de vacinação são a parvovirose, a leptospirose, a erisipela, a colibacilose, a circovirose, a rinite atrófica, a pneumonia enzoótica, a influenza A, a lawsoni intracellularis e a brachyspira.

O produtor precisa ainda ficar atento ao controle de doenças que afetam o sistema imunológico dos suínos, deixando-os suscetíveis à ação de agentes oportunistas, como é o caso da circovirose, doença causadora de grandes prejuízos na granja e que evoluiu muito ao longo dos anos, forçando a indústria a buscar tecnologia que acompanhasse o desenvolvimento do vírus.

Com tantas opções no mercado para o controle das enfermidades, como o suinocultor pode avaliar qual delas é a melhor para o seu negócio? De maneira geral, ele necessita avaliar segurança e eficácia inicialmente e depois ponderar fatores como o custo da vacina e da vacinação e o retorno gerado a partir dela, como melhoria na produção, redução de mortalidade, aumento no ganho de peso dos animais, redução no uso de antibióticos e incremento de produtividade, por exemplo.

Importante considerar que o desenvolvimento de uma vacina é um processo complexo e repleto de etapas, que requer tempo e investimento – pesquisa, análises, aplicação em grupos de indivíduos, exame de reações e de eficácia, ensaios pré-clínicos e clínicos, além de licenciamento, e que a ciência está sempre em busca das mais avançadas soluções para os problemas diagnosticados em campo.

Para o caso da circovirose, a vacina mais inovadora no mercado brasileiro é a única que contém dois genótipos de circovírus suíno – PCV2a e PCV2b – e ainda confere proteção cruzada frente ao PCV2d. Além disso, também ajuda o suinocultor a prevenir o plantel contra o Mycoplasma hyopneumoniae. Com período de imunidade de pelo menos 23 semanas, o imunizante contém o exclusivo adjuvante MetaStim, que garante uma resposta imune segura e eficaz.

Um recente estudo comparativo de vacinas contra a circovirose realizado em uma agroindústria de Santa Catarina, com um grupo de 7.200 animais, observou os seguintes aspectos: peso médio dos animais no abate, ganho de peso (GPD), conversão alimentar (CA) e mortalidade, considerados os mais importantes indicadores de produtividade. Ao final, observou-se que, além de mostrar vantagens sob todos os aspectos avaliados, o uso da vacina bivalente converteu-se em lucro para o produtor.

Esse é um importante exemplo de como as vacinas evoluíram ao longo do tempo e foram um dos principais fatores do progresso que conquistamos na produção de suínos para o mercado. Porém de nada adiantaria ter uma tecnologia tão avançada em mãos se, junto com ela, o produtor não adotasse práticas de manejo adequadas, em suas diferentes etapas, do nascimento até o abate. Por isso, associar vacinas inovadoras, biossegurança e a alegria do produtor fazem do Brasil uma potência na suinocultura mundial.

 

*Médico-veterinário e assistente técnico de suínos da Zoetis.